A praia, os microplásticos e os ODS: como começou nosso Julho Sem Plástico

Um simples passeio na praia nos mostrou, ao vivo, a urgência de revermos nossos hábitos. Que tal aproveitarmos a campanha Julho Sem Plástico para mudar já?

Sempre que recebemos uma informação que nos impacta, seja ouvindo, lendo ou vendo uma imagem, nós sentimos muito. Mas, quando presenciamos com a nossa própria experiência, tocando e enxergando de perto, aí sim nos comovemos. Parece que a ficha cai para valer, não é mesmo? Neste final de semana, eu e o Lucas estivemos no Fórum Brasil ODS 2019, em Florianópolis. Além de ter acesso a um conhecimento maravilhoso sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, também tivemos a oportunidade de contemplar a orla da capital catarinense. É sempre uma paisagem de tirar o fôlego. E em uma dessas caminhadas pela praia, olhando atentamente para a areia, os vimos, os tristes microplásticos. Aos nossos pés, estava materializado o motivo de apoiarmos a campanha Julho Sem Plástico.

Trazidos por uma onda que deixou um traçado linear ao longo de toda praia, acredito que eles simbolizam o nosso próprio pensamento linear enquanto humanidade. Pela primeira vez os vi pessoalmente e ali me comovi. E pensei então que já era tarde, que não temos mais saída para esse mar de plástico.

Entretanto, o evento o qual fomos prestigiar falou de esperança e do quanto estamos evoluindo em alguns aspectos do Desenvolvimento Sustentável, incluindo o próprio movimento dos ODS, que atua em vários níveis, além de governos, instituições privadas e sociedade civil. Lá, vimos o engajamento de muitas pessoas, que com muita boa vontade agitam as moléculas de suas comunidades e fazem aquecer essa multidão que está unida e focada na mudança que interessa ao coletivo, transcendendo o si mesmo. É um grande alento e nos deu ânimo para incentivarmos a todos a participar do Julho sem Plástico.

Mas voltemos aos microplásticos e o porquê de nossa preocupação. Eles nada mais são do que a degradação do plástico, que não chega a desaparecer do meio ambiente, mas se desfazem em micropartículas. Chegam a medir cerca de um milímetro e, mesmo tão pequenos, causam enormes prejuízos não só ao organismo de aves e animais marinhos, mas ao nosso também. Hoje eles são o tipo de material que mais polui os oceanos, sendo encontrados até mesmo em nosso sal de cozinha. Muitos dos produtos plásticos, especialmente os de uso único, que dizem por aí serem biodegradáveis, na verdade, se transformam em microplásticos. Saber disso é o que reforça nossa convicção de contribuir para a redução do uso de produtos descartáveis, seja no nosso dia a dia, seja com a Keep Eco.

Veja agora como você pode participar do desafio Julho sem Plástico

Se você também se preocupa com a poluição causada por plásticos, queremos agora te convidar a também ser essa molécula que se agita e esquenta o movimento dos “sem plástico”. O mês de julho é dedicado à campanha do zero descartável, o Plastic Free July ou simplesmente Julho Sem Plástico. A ideia da campanha é incentivar e motivar a mudança de hábitos de consumo.

Como você pode participar? Não é difícil. Basta recusar plástico de uso único, como filme de PVC, sacolinha de supermercado, canudos, copos, talheres e pratos descartáveis. E como um bom desafio, ele incentiva metas bem claras e indicadores. Complicado demais?  Não mesmo! Você pode, por exemplo, se desafiar a pegar apenas UMA sacolinha plástica no mês inteiro, ou então colocar o rolo de plástico filme escondido numa gaveta e não pode, sob hipótese alguma, envolver a comida com ele ou outro tipo de plástico descartável.

Agora a melhor parte: é possível substituir os produtos plásticos por outros mais duráveis, mais saudáveis e, sem dúvida, mais ecológicos. Invente, crie soluções, chame as crianças para serem participativas e fiscais do desempenho desplastificado do mês. Nas próximas semanas, vamos colocar mais dicas aqui no blog e nas nossas redes sociais sobre como colaborar com o Julho sem Plástico. Acompanhe tudo por aqui e pelo nosso Facebook e Instagram. Este desafio pode até começar como uma brincadeira, mas no dia 31 pode ter virado um hábito incorporado na sua casa.

 

 

 

 

AUTHOR

Carla Viero

All stories by: Carla Viero

Deixe uma resposta